terça-feira, 24 de março de 2015

Maze Runner - Correr ou morrer

DSC_0009


Maze Runner é uma série escrita por James Dashner, a série fez tanto sucesso que há pouco tempo lançaram o primeiro filme (depois vou fazer um post filme x livro aqui). Eu nunca tinha ouvido falar sobre Maze Runner, já tinha visto o trailer do filme mas quando resolvi ver já tinha parado de passar. Depois de ver algumas pessoas falando muito bem sobre a saga, resolvi me jogar nela também.


Maze Runner – Correr ou Morrer é aquele tipo de livro que te joga no meio da história e te deixa sem entender absolutamente nada, acho isso sensacional, desperta muito a curiosidade e aumenta a vontade de continuar virando as páginas. A história começa com Thomas, um garoto que acorda dentro de uma caixa escura e seu nome é a única coisa que ele consegue lembrar.


Depois de muito tempo dentro dessa caixa em movimento, Thomas é surpreendido quando, do nada, um bando de garotos abrem as portas e dão boas-vindas ao mais novo calouro da Clareira. Sem respostas (e isso irrita um pouco, já que você também está ali sem saber wtf is going on), o garoto aos poucos vai descobrindo que está preso dentro de um lugar cercado por muros gigantes. O único modo de sair da clareira é uma passagem que se abre todos os dias de manhã, e se fecha com o cair da noite. Mas tem um pequeno porém... essa saída é a entrada para um labirinto. O último lugar que você desejaria conhecer.


Eu tenho muito preconceito com série de livros, depois de Harry Potter, eu sinto que nenhuma chega aos pés e sempre acabo achando a história boba e meio infantil, isso aconteceu com Percy Jackson, li o primeiro livro achando tudo aquilo um pouco bobo e não conseguia afundar no que estava acontecendo enquanto eu lia. Maze Runner é a primeira saga, depois de Harry Potter, que eu posso dizer que li devorando cada página e senti um aperto no peito quando li as últimas palavras, anseando pelo próximo volume.


Uma coisa que me incomoda em alguns personagens (tipo o Percy Jackson) que encontro por aí, é esse tipo de adolescente que acha que sabe de tudo, a lá criancinhas de novela da Globo, que irritam ao mostrar uma maturidade que simplesmente não existe em crianças reais. Thomas, assim como todos os outros personagens do livro, passam uma naturalidade que faz a história fluir fazendo você acreditar realmente ser possível aquelas pessoas existirem.


Além de ter uma história muito intrigante, o autor termina cada capítulo com uma frase que te deixa atordoado com o que está acontecendo, garanto que é impossível você parar de ler em alguns capítulos. A vontade de descobrir o que está acontecendo, qual é a verdade por trás de tudo, a luta pela sobrevivência e um fim que mais parece com um começo, com certeza, são o ápice da leitura.

Nenhum comentário:

Postar um comentário